Para usufruir de todas as funcionalidades deste site necessita de ter o Javascript activado!

A UE e a Nova Zelândia dão início a negociações comerciais

vendredi , 22 juin 2018

Ontem, em Wellington, capital da Nova Zelândia, a comissária responsável pelo Comércio, Cecilia Malmström, e o ministro neo-zelandês do Comércio, David Parker, deram oficialmente início às negociações com vista à celebração de um acordo comercial abrangente e ambicioso.

As negociações terão por objetivo eliminar os obstáculos ao comércio de mercadorias e serviços, bem como definir regras comerciais para facilitar o comércio e defender a respetiva sustentabilidade.

O anúncio de hoje segue-se ao início das negociações com a Austrália no princípio desta semana. Surge pouco depois da conclusão das negociações com o México, da finalização dos acordos com o Japão e Singapura bem como do acordo comercial entre a UE e o Canadá, que entrou em vigor em setembro do ano passado.

A comissária Malmström afirmou: «Estamos hoje perante uma etapa importante das relações UE-Nova Zelândia. Podemos celebrar juntos um acordo vantajoso para ambas as partes, que beneficie tanto as empresas como os cidadãos. Os acordos comerciais representam não só oportunidades económicas, mas permitem também reforçar os laços que nos unem aos nossos aliados mais próximos. É o caso da Nova Zelândia, que sabemos ser um parceiro com o qual partilhamos os mesmos valores fundamentais. Este acordo é uma excelente oportunidade para definir regras comuns ambiciosas e configurar a globalização, facilitar o comércio e defender o desenvolvimento sustentável. Podemos dar um bom exemplo.»

A primeira ronda oficial de negociações entre as equipas de negociadores de ambas as partes terá lugar em Bruxelas, de 16 a 20 de julho.

No decurso da sua visita à Nova Zelândia, a comissária Malmström reuniu-se com o primeiro-ministro em exercício e ministro dos Negócios Estrangeiros, Winston Peters, e com o Comité Parlamentar restrito sobre os Negócios Estrangeiros. Assegurou ainda uma conferência pública «Europa», organizada pelo Instituto dos Assuntos Internacionais da Nova Zelândia.

Por ocasião da sua visita, a comissária Malmström encontrar-se-á ainda com os ministros reponsáveis pelas indústrias de base e alterações climáticas, e com representantes da sociedade civil, do mundo académico e empresarial. Na sexta-feira, 22 de junho, a comissária irá visitar um centro de inovação que tem ligações com a UE.

No ano passado, o comércio bilateral de mercadorias entre a UE e a Nova Zelândia ascendeu a 8,7 mil milhões de euros. Os setores que representam a maior parte das exportações da UE para a Nova Zelândia são produtos manufaturados, por exemplo, equipamentos de transporte, máquinas e aparelhos e ainda produtos químicos, plásticos, géneros alimentícios e serviços. Acrescente-se que o comércio de serviços representa 4,4 mil milhões de euros (2016). A UE é o terceiro maior parceiro comercial da Nova Zelândia e o acordo poderá aumentar em quase 50 % o comércio de mercadorias, ou um terço se considerarmos tanto o comércio de mercadorias como o de serviços.

A Nova Zelândia é uma das economias desenvolvidas em mais rápido crescimento. Negociou recentemente um acordo abrangente e progressivo para uma parceria transpacífica (CPTPP) com 10 outros países da região do Pacífico. O acordo entre a UE e a Nova Zelândia assegurará que as empresas europeias possam beneficiar de condições equitativas de concorrência em relação a empresas de países com os quais a Nova Zelândia já celebrou acordos comerciais.

Para mais informações

Vídeo e fotografias da visita

Sítio Web: As negociações comerciais entre a UE e a Nova Zelândia

Ficha informativa

Testemunhos de exportadores: Quais as vantagens para as pequenas empresas?

Sétima - Tecnologias da Informação e Comunicação Lda